Suspeitos de fraudarem licitações são indiciados pela Polícia Civil

Funcionários públicos de Bom Jesus do Galho se uniram a empresários para a prática.

suspeitos-de-fraudarem-licitacoes-sao-indiciados-pela-policia-civil

Dez pessoas foram indiciadas e denunciadas pelo Ministério Público após investigação conjunta da Polícia Civil de Minas Gerais e do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco/Ipatinga). Segundo apurado, funcionários públicos municipais de Bom Jesus do Galho, entre 2017 a 2019, teriam se unido a empresários da região para fraudarem licitações, o que causou prejuízo de mais de R$ 630 mil aos cofres públicos.

Levantamentos apontam que a fraude consistia na contratação de uma empresa de “fachada” para “maquiar” aluguéis de veículos automotores que pertenciam aos próprios funcionários públicos. Dentre os investigados, estão o ex-secretário de obras, o ex-secretário de saúde, um irmão do ex-prefeito, além do filho do prefeito de uma cidade vizinha. Além disso, o esquema também beneficiaria o presidente da Câmara Municipal, que também possuía um veículo alugado.

Inicialmente, os agentes públicos contratavam uma empresa por meio de uma licitação simulada. Após a formalização do contrato, a empresa recebia os veículos indicados e de propriedade de várias pessoas vinculadas ao município, simulando também as prestações de serviços. Durante as investigações, não ficou demonstrada a necessidade da Prefeitura contratar esses veículos particulares e ainda ficou evidente a completa inexistência de controle de quilometragem dos veículos, apesar da efetivação dos pagamentos. A empresa recebia os pagamentos mensais da Prefeitura e, posteriormente, repassava esses valores aos verdadeiros donos dos veículos.

Os suspeitos foram indiciados pelos crimes previstos nos artigos 90 da Lei 8.666/93 (frustrar ou fraudar, mediante ajuste, combinação ou qualquer outro expediente, o caráter competitivo do procedimento licitatório, com o intuito de obter, para si ou para outrem, vantagem decorrente da adjudicação do objeto da licitação); artigo 312 do Código Penal (apropriar-se o funcionário público de dinheiro, valor ou qualquer outro bem móvel, público ou particular, de que tem a posse em razão do cargo, ou desviá-lo, em proveito próprio ou alheio) e artigo 2º, §4º, inc. II, da Lei 12.850/13 (promover, constituir, financiar ou integrar, pessoalmente ou por interposta pessoa, organização criminosa, com aumento de pena se há concurso de funcionário público, valendo-se a organização criminosa dessa condição para a prática de infração penal).

Pela Polícia Civil, as investigações foram realizadas pela equipe do 12º Departamento de Polícia Civil, sob coordenação do chefe do departamento, delegado Gilmaro Alves Ferreira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *